2013-11-01

Glúten - deve ou não ser evitado?

Olá a todos, como vai a vossa dieta? 

Para os adeptos da dieta do Tipo Genético, evitar o glúten já é algo habitual. Mas muitos dos que não seguem esta, ou nenhuma outra dieta em especial, perguntam-se se será mesmo benéfico para a saúde evitar o glúten.

Em primeiro lugar: o que é o glúten? É uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina, que se encontram naturalmente na semente de muitos cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia.

Recentemente, algumas celebridades vieram a público informar que aderiram a uma dieta isenta de glúten. A cantora e atriz Miley Cyrus até escreveu um tweet aconselhando toda a gente a experimentar a dieta.Vitoria Beckham, Gwyneth Paltrow e Lady Gaga são outras seguidoras deste tipo de regime. Isto gerou alguma polémica. Foram publicados inúmeros artigos sobre o assunto, uns a defender a referida dieta, outros a criticar. Ora, em que ficamos? É benéfico ou não retirar o glúten da dieta?

Bem, a verdade é que, nesta temática, não existe consenso entre a comunidade médica. Na pesquisa que efetuei, no entanto, encontrei informações que gostaria de partilhar convosco, por virem de fontes fiáveis e irem de encontro àquilo que a dieta do Tipo Genético também apregoa.

Segundo médicos e especialistas, ao chegar oo intestino, o glúten transforma-se numa espécie de cola, que se fixa nas paredes intestinais. Com o passar do tempo, provoca saturação do aparelho digestivo, aumento da gordura na região do abdomen, dores articulares, alergias cutâneas e depressão. 

O corpo responde de diversas maneiras: obesidade, síndrome de resistência à insulina, deficiência de cálcio, alergias, diarreias e doenças auto-imunes. O nutrólogo João Curvo conta que os chineses consideram o excesso de glúten sinal de má higiene interna já que o metabolismo emperra, favorecendo bactérias que gostam de calor e estagnação. 

Intestino sem glúten produz serotonina e gera alegria, é a afirmação de especialistas da área nutricional. As dificuldades no começo da dieta podem aparecer, por isso uma boa dica para ter o sucesso esperado é a ingestão constante de frutas, que além de leves são nutritivas e de baixas calorias. Outro fator importante é procurar no mercado alimentos produzidos com boa qualidade.

Problemas relacionados ao consumo de glúten
  • Intolerância alimentar: o glúten é uma cola que adere as paredes intestinais e vai bloqueando o funcionamento do intestino. Os primeiros sintomas são intolerância alimentar, desconforto abdominal, gases e retenção de líquidos. 
  • Obesidade: Com o metabolismo lento não se processam devidamente os alimentos, tendo como conseqüência o acúmulo de gordura abdominal. 
  • Baixa imunidade: afeta o sistema imunológico favorecendo doenças auto-imunes. 
  • Intoxicação e enxaquecas: o metabolismo estagnado dificulta a eliminação das toxinas elevando o risco de doenças como dores de cabeça e enxaquecas. 
  • Açúcar: Como o glúten é aliado do açúcar, sequestrador do cálcio, aumentam os riscos de osteoporose, cáries, ranger de dentes, insônia, hipertensão e colesterol alto.
Isto é o que dizem médicos que nada têm a ver com a dieta do Tipo Genético. Assim sendo, cada um de nós deve pensar bem, na hora de decidir incluir glúten na sua alimentação, ou não. Para os adeptos da dieta, porém, o glúten é inimigo dos três tipos genéticos de que este blog trata: o professor, coletor e explorador (uns mais do que outros).

Como eliminar o glúten da alimentação? Uma das maneiras é por fazer pão em casa, usando farinhas sem glúten. Uma máquina de fazer pão também é muito útil, para simplificar o processo. Os supermercados Lidl, volta e meia, colocam à venda uma versão bem económica e prática. É só estar atento aos panfletos. E aqui ficam algumas receitas sem glúten:
Bem, por hoje é tudo. Boa dieta! :)


Fontes: